Quais são os alimentos minimamente processados?

Quais são os alimentos minimamente processados?

Eu já expliquei aqui diversas razões pelas quais você deve evitar os ultraprocessados, já que eles são prejudiciais à saúde. Desta vez, quero mostrar o outro lado da moeda, quais são os alimentos minimamente processados.

A preocupação com alimentação saudável vem crescendo entre os brasileiros que, cada vez mais, buscam a longevidade e qualidade de vida.

Nisso, é importante entender determinados conceitos, como alimentos in natura, processados, ultraprocessados. Neste sentido, vou explicar, neste artigo, quais são os alimentos minimamente processados.

O mesmo alimento pode passar por diferentes formas de processamento, técnica que veio da necessidade de conservar a comida por mais tempo, considerando os períodos de escassez.

Inicialmente, a humanidade utilizava o calor do sol, gelo e fogo, mas com o tempo, desenvolveu técnicas conservantes, como sal, açúcar, azeite e elementos químicos. 

Com isso, o processamento pode interferir diretamente no sabor e, consequentemente, na qualidade nutricional do alimento.

Diante deste cenário, o ideal é consumir alimentos em sua forma in natura ou minimamente processados, utilizando conservantes na menor quantidade possível.

Saiba aqui quais são os alimentos mais saudáveis do planeta!

Quais são as classificações dos alimentos?

Segundo o Guia Alimentar para a População Brasileira, os alimentos podem ser classificados em: 

  • Alimentos in natura: como o próprio nome já diz, são os naturais, ou seja, aqueles obtidos de plantas ou animais. Assim, são adquiridos para consumo sem passar por nenhum tipo de processamento. Entram nesta categoria folhas, frutas, verduras, legumes, ovos, carnes e peixes;
  • Alimentos minimamente processados: são os in natura que sofreram alterações mínimas na indústria, como moagem, secagem, pasteurização, etc;
  • Alimentos processados: são aqueles que já sofreram algum tipo de processamento, como a adição de açúcar, sal, vinagre e óleo. Com isso, apresentam desequilíbrio nutricional, por isso, o consumo excessivo pode levar ao risco de doenças, como diabetes. Aqui entram, por exemplo, conservas em salmoura, compotas de frutas, defumados, peixes em conserva, fermento e sal;
  • Alimentos ultraprocessados: o tipo que deve ser evitado, é aquele cuja formulação industrial leva cinco ou mais ingredientes. Normalmente, são pobres do ponto de vista nutricional, mas ricos em calorias. A adição de açúcar, sal e aditivos químicos tem o objetivo de realçar o sabor e prolongar a validade, favorecendo a ocorrência de doenças graves. São exemplos: salsichas, biscoitos, geleias, sorvetes e chocolates.

Conheça aqui as zonas azuis!

Que alimentos são mais saudáveis?

Entre as opções mais saudáveis das listadas acima estão os alimentos in natura e os minimamente processados. Os primeiros não sofreram nenhuma alteração, por isso, são livres de aditivos químicos e mantêm suas propriedades nutricionais. Por exemplo, verduras, frutas, legumes, peixes, ovos e carnes.

Os alimentos minimamente processados, por sua vez, também são opções saudáveis, já que não agregam nenhuma substância. Os processos incluem apenas limpeza, moagem ou pasteurização, o que não influencia na qualidade nutricional. Por exemplo, feijão, arroz, lentilhas e cogumelos.

A diferença da manipulação envolvida nos minimamente processados é que nenhuma substância é adicionada ao produto original, uma vez que o objetivo é, apenas, aumentar a disponibilidade ao alimento.

O feijão, por exemplo, passa pelo processo de embalagem, o que o torna mais seguro. Contudo, nenhuma substância é adicionada a ele.

Diferença entre alimentos in natura e minimamente processados

A principal diferença entre os dois se refere ao aspecto físico. Por serem obtidos diretamente de plantas ou animais, os alimentos in natura não sofrem qualquer alteração até serem consumidos.

Porém, são eles que originam os alimentos minimamente processados, contanto que não haja adição de sal, açúcar, óleos, gorduras ou outras substâncias.

Em resumo, os produtos in natura não sofrem alterações, como já falamos, enquanto os minimamente processados já chegam ao consumidor lavados, cortados, ralados, picados e descascados.

Como o item chega pronto para ser consumido, é preciso estar atento a fatores de higiene e medidas de sanitização.

Veja aqui receitas com a planta ora-pro-nóbis!

Quais são os alimentos minimamente processados?

Acima eu te expliquei vários detalhes sobre a classificação dos alimentos e o que muda entre aqueles que são consumidos naturalmente e os que são processados.

Agora, veja abaixo quais são os alimentos minimamente processados:

  • Verduras, legumes e frutas (frescas ou secas);
  • Tubérculos (batata, mandioca);
  • Arroz;
  • Milho (em grão ou na espiga);
  • Cereais; farinhas; feijão e outras leguminosas;
  • Cogumelos (frescos ou secos);
  • Sucos de frutas (sem açúcar ou outras substâncias);
  • Leite;
  • Iogurte (sem açúcar ou outras substâncias);
  • Ovos;
  • Carnes (mesmo os cortes resfriados);
  • Pescados;
  • Frutos do mar;
  • Castanhas (sem sal e açúcar);
  • Especiarias e ervas frescas ou secas;
  • Macarrão ou massas (feitas com farinhas e água);
  • Chá, café e água.

Após entender quais são os alimentos minimamente processados, o ideal é sempre que possível optar por eles ou aqueles que são in natura.

Os alimentos ultraprocessados devem ser evitados ao máximo, promovendo a reeducação alimentar e hábitos mais saudáveis. Isso vai te ajudar a viver melhor.

Outra dica é para você investir em preparar a sua própria comida. Isso vai te ajudar a experimentar novos sabores e a consumir menos produtos industrializados.

Se quiser aprender umas receitinhas novas, entre no meu canal no YouTube.

Depois de entender quais são os alimentos minimamente processados, aproveite e leia também:

O que é alimentação saudável?

Como fazer hambúrguer vegano?

Compartilhe com seus amigos!

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *